Pagina inicial

Projeto O Legado da Psicologia
para o Desenvolvimento Humano

Venda de DVDs <clique aqui>

NOTA HERÁLDICA

O "Psi" ocupando o centro, representa a viga mestra de suporte da Academia, isto é, a PSICOLOGIA em sua natureza mais ampla e multidimensional, como ciência e tecnologia, como profissão, ensino e pesquisa. As suas linhas de construção, somente retas, definem "verbi gratia", os procedimentos pretendidos pela Academia. Linhas horizontais, verticais, oblíquas, descendentes ou ascendentes, mas sempre retas.

O Símbolo, em sua composição, lembra, por um lado, certos padrões, usados em pesquisa de percepção, mas traduz também a imagem do labirinto - a espelhar tanto a complexidade própria da reflexão e da pesquisa em Psicologia, como também a multiplicidade dos caminhos que a Psicologia percorre em seus empenhos de compreensão, explicação e aplicação. A par disso, o Símbolo vibra e reverbera em consonância com as aspirações da Academia, dinâmicas, ativas e semoventes em todos os setores.
Eis porque, todas as facetas produzindo radiações sincronizadas e, no todo, harmônicas e conseqüentes, engrenam e movimentam o Símbolo - o que é a Academia - sempre para a frente mas, refletindo-se em todas as direções e, em cada direção, edificcando verdadeiros pisos, paredes e coberturas, firmes e estáveis.
Os dois círculos circundantes, contendo a denominação completa da Academia Paulista de Psicologia reafirmam, por sua vez, o paralelismo pertinente com suas finalidades, isto é, propósitos definidos, seguros e obstinados, sem inclinações, sem cantos e sem quinas, conforme convém a um verdadeiro círculo.
As duas pequeninas e estreitas aberturas, localizadas quase que imperceptivelmente entre os braços do "Psi", representam as únicas entradas da Academia. Pequeninas e estreitas porque permitem acesso somente a aqueles que se propõem a algum sacrifício e esforço.

(Bol. - Acad. Paul. Psicol. 1(1) 1980, p.2)

HISTÓRICO

A Academia Paulista de Psicologia completou em dezembro de 2009, 30 anos de existência, uma vez que foi fundada em fins de 1979, ano em que se comemorou o centenário da Psicologia Científica.
A exemplo do que é verificado em outras áreas do conhecimento, como a Medicina, a História ou as Letras, um grupo de psicólogos paulistas julgou, naquela data, que era chegado o momento de se fundar uma Academia Paulista de Psicologia. O cultivo desta ciência, de fato, assumira, em nosso meio, considerável importância, graças à existência de muitos cursos universitários, especialmente de pós-graduação, à atuação de numerosos especialistas no exercício profissional, à significativa produção de pesquisas e de publicações e à freqüente realização de congressos nacionais e internacionais. Não se tratou simplesmente de estabelecer mais uma associação que admitiria interessados nessa ciência ou em algum dos seus múltiplos ramos teóricos ou de aplicação. Ela foi concebida e é uma entidade que reúne, em caráter vitalício, quarenta psicólogos brasileiros, natos ou naturalizados, residentes no Estado de São Paulo, que tenham publicado obras científicas, didáticas ou técnicas de reconhecido valor ou que sejam personalidades de grande significação na docência, na pesquisa ou no exercício profissional da Psicologia, não importando a área dessa ciência na qual teriam se especializado, nem a filiação a qualquer teoria ou corrente psicológica.
Assim é que entre os Membros Titulares que compõem o corpo acadêmico no momento atual, ocupando, respectivamente, as quarenta Cadeiras identificadas por Número e nome do Patrono, encontram-se especialistas em Psicologia Educacional e Escolar, Psicologia Clínica, Psicologia Social, Psicologia do Desenvolvimento, Psicologia Fenomenológica, Psicologia Experimental, Psiconeurologia, Psico-oncologia, Psicanálise, Psicologia do Trânsito, Psicologia Organizacional, Psicologia Comparada, Psicologia das Pessoas com Necessidades Especiais e Testes e Medidas Psicológicas, entre outras.
Além dos 40 Membros Titulares e também Acadêmicos Jubilados, o Estatuto prevê duas outras categorias, sem limitação de número: Membros Correspondentes, psicólogos de outros Estados ou do Exterior, de notável mérito, que manifestarem esse desejo e forem aprovados pela Diretoria; e, Membros Beneméritos, pessoas ou entidades que tenham contribuído de modo significativo para a Academia, selecionados também a critério da Diretoria.
Quando ocorre o falecimento de algum Acadêmico, o preenchimento da vaga resultante se faz mediante eleição entre candidatos que devem apresentar, além do desejo expresso de ingressar na entidade, a recomendação de três Acadêmicos e curriculum vitae circunstanciado. A eleição é realizada em Assembléia Extraordinária, especialmente convocada para tal fim, sendo eleito o candidato que obtiver a maioria absoluta dos acadêmicos votantes.
No balanço de suas realizações durante esses anos de existência, destacam-se o co-patrocínio e/ou a participação de seus membros em vários eventos nacionais e internacionais, merecendo salientar os Congressos Interamericanos de Psicologia; a realização de simpósios, conferências e outros eventos científicos para a divulgação de teorias, técnicas e pesquisas no campo da Psicologia; a instituição de prêmios para estimular o desenvolvimento de estudos e pesquisas; o constante intercâmbio com entidades congêneres; e a publicação regular do Boletim Academia Paulista de Psicologia, seu órgão oficial de divulgação.
Uma importante finalidade da Academia, dentre os objetivos que são arrolados em seu Estatuto, é a de preservar a memória da Psicologia em nosso meio. Neste particular, cabe realçar o registro contínuo das realizações dos Acadêmicos; a referência às pesquisas e serviços produzidos pelos seus membros; a apresentação dos Projetos desenvolvidos pela Academia, como o "Documental Iconográfico", constituído de fotos dos Patronos e Acadêmicos, falecidos e atuais. Um Projeto significativo é o intitulado "O Legado da Psicologia para o Desenvolvimento Humano", constituído de DVDs e um manual que integram depoimentos pessoais sobre a Vida e Obra dos membros Titulares e dos respectivos antecessores. 

Em 2010 deu-se continuidade ao projeto na segunda fase, com apoio do CRP/06. Os nomes dos depoentes encontram-se na legenda: Projeto

Arrigo Leonardo Angelini
Presidente